Diferenças entre a infância de antigamente e a de hoje

A tecnologia mudou bastante a forma de interações entre as pessoas. Quem observa o suficiente percebe as profundas mudanças na infância de hoje em dia trazidas por este novo cenário de comunicações e entretenimento rápidos.

Lembra de como as coisas costumavam ser na sua época? Vamos conversar um pouco sobre como a infância mudou nos últimos anos. Acompanhe!

As brincadeiras de rua de antigamente

Até pouco tempo atrás, digamos, anos 80 e 90, a regra era sair para a rua. As crianças do bairro todas se conheciam e brincavam. A preocupação com a segurança existia, claro, mas os riscos eram muito menores. Em grande parte das vezes, o risco maior que havia era ralar os joelhos ou rasgar as roupas.

Os momentos passados em casa eram mais raros. Geralmente eram refeições com os pais, momentos de fazer o dever de casa, dias chuvosos ou pequenas reuniões familiares em volta da televisão.

Grande parte da informação e conhecimentos eram passados pelos pais aos filhos nesses momentos, pois era o meio mais atraente de transmissão de informações. Além disso, tínhamos livros com linguagem complicada e poucos canais de televisão, que era usada mais para o entretenimento. Como esquecer os desenhos e programas que marcaram nossa infância?

Muitas das relações se dava entre os amigos de uma mesma faixa etária. Crianças do mesmo prédio, do mesmo bairro, do mesmo colégio estavam sempre juntas para passar o tempo, e passavam o tempo brincando e trocando experiências. As brincadeiras precisavam de uma grande dose de imaginação para acontecerem. Os brinquedos comuns já eram caros, os eletrônicos então…!

As ruas eram ambientes mais seguros, com menos fluxo de desconhecidos e de veículos. Com isso, era o palco ideal para todo tipo de brincadeiras e jogos: esportes, pique-esconde, encenações, enfim, o que viesse à mente dos envolvidos. Sem muito esforço, um par de chinelos virava as traves do Maracanã.

Infância de hoje e tecnologia

A globalização veio trazendo algumas mudanças graduais nessa relação: aos poucos os brinquedos comuns – carrinhos, bonecas, bonecos – foram ficando mais acessíveis. Não muito tempo depois, os aparelhos eletrônicos também entraram nessa e começaram a ocupar cada vez mais as residências. Em seguida, veio a internet.

Incorporando-se essas mudanças à realidade das famílias, vemos que, duas ou três gerações depois da nossa, as relações das crianças com o mundo mudaram bastante. Contudo, ainda são crianças e merecem atenção especial dos pais, seja para garantirem seu bem-estar, seja para protegê-las de riscos.

Hoje em dia, tem-se preferido um acompanhamento mais próximo da parte dos pais com as crianças. Percebe-se o valor de pais e filhos caminharem juntos e garantirem diálogo e intimidade, ao mesmo tempo em que se preserva o ambiente de brincadeiras e diversão que uma criança geralmente espera.

Aproximação dos pais

Cabe aos pais o papel de balancear o acesso que se tem aos aparelhos eletrônicos e a interação humana, especialmente ao ar livre. Hoje em dia, com a internet, há uma infinidade de meios de aquisição de informação e jogos feitos para prender a atenção das crianças pelo máximo de tempo possível. Um uso moderado destes recursos pode ser muito interessante, ajudando no desenvolvimento e educação da criança.

Entretanto, nada nunca substituirá o tete a tete. Não há celular, televisão ou computador que substituam as interações humanas. Mostrar o mundo às crianças é um dever inevitável dos pais, e pode ser um passeio mais longo, uma história ou uma brincadeira em um lugar diferente, com pessoas diferentes.

Este tipo de experiência tem um valor enorme no estabelecimento de relações entre crianças e os adultos a sua volta. Além disto, momentos assim são muito bem recebidos pela criança, criando laços de confiança e proximidade difíceis de abalar. Resultado: uma criança feliz se desenvolvendo de forma saudável.

Portanto, se tratando de uma criança mais ativa, que se relacione muito com os amigos, ou de uma que prefira ficar em casa com seus brinquedos e jogos eletrônicos, a infância de hoje pressupõe o acompanhamento de perto dos pais, aproximando-se e garantindo o bem-estar durante o crescimento dos filhos.

E você, gostou do texto? Deu saudade da infância? Compartilhe com seus amigos e relembre junto com eles!

Medo de escuro: veja 4 dicas para ajudar a criança a dormir sozinha

As crianças têm uma imaginação fértil que as levam para mundos de faz de conta onde tudo pode acontecer. Porém, não existem só fadas, príncipes e princesas na idealização dos pequenos: há também os monstros, esses, que têm seu lugar garantido dentro de casa: os lugares escuros. O medo de escuro nas crianças é natural e pode começar, em média, aos 3 anos de idade, indo até os 7.

É nessa fase em que as crianças, normalmente, têm medo de ficar no quarto, dormir sozinhas e ir até os outros cômodos da casa, como o quarto dos pais ou banheiro. Mas, como ajudar meu filho a superar esse medo? No post de hoje, você poderá conferir algumas dicas para passar por essa fase e tentar amenizar o pavor das crianças em relação aos ambientes escuros e dormir sozinha sem medo.

1. Deixe uma luzinha acesa

Nada melhor para espantar o medo do que deixar uma luz baixinha e espantar os monstros que assombram os pesadelos infantis. Até a criança dormir, deixe um abajur ou uma luminária acesa e garanta a ela que enquanto estiver acordada, ela não ficará no escuro. Isso ajuda a tranquilizá-la e ajuda a adormecer mais fácil.

2. Providencie uma lanterna

Deixar com que seu filho tenha controle fácil da iluminação também pode ajudar. Coloque uma lanterna em sua mesa de cabeceira ou na cama. Oriente-o para usá-la sempre que estiver com medo, iluminando o ambiente para certificar-se de que não há nada a temer no quarto ou em qualquer outro lugar escuro da casa.

3. Converse com a criança sobre o medo de escuro

Ter uma conversa aberta com seu filho vai ajudá-lo a enfrentar o medo mais fácil e ainda aproximá-lo de você. Pergunte as causas do medo, o que ele acha que o escuro tem e explique os monstros e demais criaturas são fonte da nossa imaginação.

Incentive-o a espantar os monstros, perguntando se ela tem alguma idéia para mandá-lo embora. Use a imaginação para colocar os seres imaginários para correr: pode ser olhando com cara feia, usando uma capa imaginária de proteção, colocando a lanterna sobre ele ou qualquer outra ação que afugente a fera.

Isso trará segurança à criança, aguçará sua imaginação e ajudará a superar o medo mais rápido.

4. Não menospreze seus sentimentos

Dizer frases como: “Que bobagem, isso não existe” ou “Pare com isso, enfrente seu medo e durma no escuro!” pode fazer com que a criança sinta mais medo e ainda fique oprimida em contar com você para ajudá-la. Por isso, sempre tente compreender em vez de minimizar seus sentimentos, fazendo perguntas e incentivando-a a solucionar seus problemas, nunca forçando para que ela enfrente o medo sem uma ajuda.

O medo de escuro é normal na fase infantil, mas a maneira com que os pais lidam com a criança neste período pode trazer resultados bons ou ruins. Ao mesmo tempo em que você encoraja a criança a enfrentá-lo da maneira adequada a faz mais forte e segura de si, menosprezar seus medos pode deixá-la traumatizada até a vida adulta. Por isso, é sempre importante ouvir o que seu filho tem a dizer e incentivar a enfrentar seus medos com paciência e criatividade.

E então, pronto para ajudar seu filho a encarar o medo de escuro? Compartilhe esse post em suas redes sociais e ajude também seus amigos nessa missão com as crianças!

É verdade que a TV atrapalha o sono das crianças?

Seu filho assiste TV todos os dias antes de dormir? Se a resposta for positiva, tome cuidado! Esse hábito pode prejudicar o sono das crianças. As horas a mais que as crianças passam em frente à televisão antes de dormir afetam diretamente a duração e a qualidade do seu sono!

Pensando nisso, preparamos este artigo para você saber como toda essa exposição antes de dormir pode ser prejudicial ao seu filho e como contornar essa situação. Continue a leitura e confira!

A importância do sono das crianças

Uma noite bem dormida é fundamental para a saúde e desenvolvimento de qualquer pessoa, especialmente das crianças. É nesse momento que ocorre a consolidação da memória, fortalecimento do sistema imunológico, a energia é reposta e a musculatura descansa.

É também durante o sono noturno que o hormônio do crescimento, conhecido como GH, entra em ação. Quando a criança dorme mal ou por poucas horas, algumas funções podem ficar comprometidas. Ela pode apresentar lentidão nos movimentos, falta de atenção e interesse nas suas atividades e ficar irritada com mais facilidade.

Como a TV atrapalha o sono das crianças?

Assistir TV antes de dormir parece uma atividade inocente e que não vai fazer mal. Mas, na verdade, essa atividade prejudica o descanso do seu filho e pode impactar negativamente a sua rotina no dia seguinte.

Luminosidade da TV

A luminosidade emitida pela TV inibe a liberação de melatonina, o hormônio do sono. A melatonina é um hormônio produzido naturalmente pelo nosso organismo e uma de suas funções é enviar um sinal para o cérebro indicando que já está na hora de dormir.

Mesmo com os olhos fechados, a luz consegue chegar ao nosso globo ocular. Assim, quanto menos claridade houver no quarto mais rápido a criança dormirá. Caso a criança tenha medo do escuro, uma dica é iluminar o ambiente apenas com uma meia-luz, usando um abajur, por exemplo.

Programação da TV

Além da luminosidade, a programação da TV também pode afetar a qualidade do sono dos pequenos. Caso a criança assista a algum filme ou a um programa muito agitado ou que a assuste, as imagens visualizadas estimularão o cérebro e podem causar excitação e/ou ansiedade. Assim, ela não conseguirá se desligar das cenas que assistiu, demorando muito mais para pegar no sono.

As vezes a criança acaba dormindo assistindo televisão, não é mesmo? Mas, não se engane achando que a criança vai dormir bem. Mesmo quando a programação da TV induz o sono, a criança não dormirá profundamente devido aos ruídos emitidos pelo aparelho.

Ruídos da TV

O sono das crianças, assim como o dos adultos, é dividido em duas fases: superficial e profunda. É na segunda fase que o organismo consegue desempenhar suas funções perfeitamente, além de restaurar a energia.

Quando a criança dorme com a TV ligada, seu organismo fica em estado de alerta, dificultando que ela alcance o sono profundo. Com os ruídos, as vias cerebrais da audição são estimuladas, o que pode gerar interrupções no sono da criança.

Meu filho não consegue dormir sem assistir TV, e agora?

Para algumas crianças a hora de dormir é muito complicada. Porém, esta situação é reversível e existem algumas dicas que podem facilitar esse processo:

  • Estipule um horário para dormir. Esta atitude torna a criança mais organizada, já que ela terá que dividir suas tarefas nas horas em que está acordada durante o dia;
  • Algumas horas antes de colocar a criança para dormir, reduza a intensidade das atividades que ela realiza. Aquelas muito motivantes, como brincadeiras agitadas, videogames e internet, por exemplo, costumam tirar o sono da criança;
  • Crie algumas regrinhas para a hora de dormir. Os rituais como colocar pijama, escovar os dentes e contar uma história, por exemplo, ajudam a criança a entender que já está chegando a hora de ir para a cama;

Uma boa noite de sono é fundamental para que as crianças tenham um desenvolvimento saudável! Para isso, o ideal é desligar a TV e outros aparelhos eletrônicos, pelo menos, uma hora antes de colocá-las na cama, para que o sono das crianças seja tranquilo e sem interrupções.

Gostou do artigo? Siga nossas redes sociais e fique por dentro de todas as nossas dicas!

Até que idade a criança deve tirar a soneca da tarde?

A educação dos filhos gera, para muitos, algumas dúvidas e inseguranças. Representa um momento de novas descobertas e muitas surpresas!

É muito comum surgirem nos pais questionamentos em relação ao sono das crianças como: qual o melhor momento para a criança deixar de tirar a soneca da tarde?

Pensando nisso, esse post vem o objetivo de esclarecer algumas dúvidas que os pais possam ter em relação ao cochilo da tarde das crianças!

Importância da soneca da tarde

Durante o sono, acontece a liberação dos hormônios do crescimento e o cérebro do bebê e da criança se desenvolve, por isso dormir é fundamental para o funcionamento do organismo.

Assim como uma boa noite de sono, os cochilos da tarde são muito importantes para a saúde e para o desenvolvimento infantil.

Sem a soneca a criança pode apresentar alguns distúrbios no comportamento, como ansiedade, irritabilidade, lentidão nos movimentos e falta de interesse nas suas atividades.

Vantagens da soneca da tarde

A soneca da tarde traz muitos benefícios para a criança.

Ela aumenta a disposição e o foco, restaura a energia, melhora o humor, amplia os processos cognitivos, além de relaxar.

O sono também tem grande influência no aprendizado, por isso uma noite bem dormida é fundamental para que as crianças apresentem um ótimo desempenho escolar.

Quando a criança deve parar de tirar a soneca da tarde?

Não existe uma idade ideal para que as crianças deixem de tirar as sonecas, esse processo geralmente acontece entre os 3 e os 5 anos.

Para que seja possível que a criança não tire mais um cochilo à tarde, ela precisa dormir um número adequado de horas durante a noite, que varia de acordo com a faixa etária.

Também é muito importante que a criança já tenha um sono mais profundo e sem interrupções durante a noite.

Como identificar se a criança ainda precisa da soneca da tarde?

Existem alguns sinais que podem indicar se o seu filho ainda precisa tirar uma soneca durante o dia.

Quando o cochilo ainda dura 1 hora ou mais, quando ele acorda de manhã com bom humor, mas com o passar do dia fica irritado ou quando fica muito ativo ao final do dia e não se acalma com facilidade.

Outra dica é observar se o seu filho apresenta uma lentidão na coordenação motora conforme o passar do dia e dorme facilmente quando a soneca da tarde é proposta.

Assim como existem alguns sinais de que a criança ainda precisa tirar uma soneca, é possível perceber quando ela não precisa mais também.

Uma dica é observar se a criança dificilmente consegue dormir quando é colocada para dormir a tarde e se ela dorme bem a noite inteira.

É importante também reparar se a soneca está influenciando no sono noturno, por exemplo, quando a criança dorme a tarde ela demora mais do que o normal para pegar no sono a noite.

Outro sinal que indica que a criança pode parar de tirar um cochilo é se ela não apresenta grandes variações de humor durante o dia.

É importante ressaltar que, independente da idade, tirar uma soneca à tarde ou mesmo reservar um tempo para um descanso diário traz muitos benefícios à saúde e ao desenvolvimento!

Faça uma boa avaliação se já está na hora de o seu filho deixar de tirar a soneca da tarde para que isso não o prejudique e nem a você e vocês possam aproveitar melhor o tempo juntos!

Gostou das dicas? Deixe um comentário no post e conte como você lida com a soneca da tarde das crianças!

6 dicas fantásticas para criar um ambiente de estudos tranquilo

A garotada em casa costuma se distrair na hora de estudar? Os brinquedos e a televisão são um grande empecilho para a conclusão de suas tarefas? Saiba que alguns truques simples podem transformar um espaço da casa em um ótimo ambiente de estudos. 

Sugestões práticas, como escolher móveis confortáveis, por exemplo, podem motivar a criançada na hora de realizar suas atividades. Portanto, vamos conferir 6 dicas fantásticas para criar um ambiente de estudos tranquilo?

Escolha o local perfeito

O lugar ideal para criar um ambiente de estudos para pequenos é aquele longe de distrações, como televisão ou internet. Também é fundamental que o telefone não fique no espaço de atividades da garotada. Enfim, qualquer empecilho, que possa tirar o foco, deve ficar longe do local escolhido.

Fique atenta à iluminação do ambiente

O recomendado é optar por um lugar com boa iluminação para a vista nano cansar. Se o horário de estudos é na parte da noite, uma boa luminária pode dar conta do recado. O importante é que o lugar seja bem iluminado, para que os pequenos não caiam no sono na hora de estudar, combinado?

Tenha o material por perto

Aliar praticidade e organização ao criar um ambiente de estudos tranquilo, é garantir eficiência na realização das atividades escolares. Deixe sempre tudo o que será usado por perto, como por exemplo, lápis e canetas, livros, bloco de notas, régua, entre outros itens.

O ideal é que os utensílios fiquem próximos, para facilitar a rotina e também para evitar distrações, já que não será preciso interromper as atividades para ficar procurando os materiais pelos cômodos da casa.

Use cores tranquilizantes no espaço

Você sabia que um ambiente de estudos neutro é o melhor para manter o foco dos seus filhos nos livros? Saiba que de nada adianta o cantinho ser silencioso se as paredes do local forem pintadas com cores fortes, como vermelho ou laranja, por exemplo.

Os tons quentes podem deixar a criança agitada, desviando sua atenção, que deve estar voltada para os estudos e atividades. Por isso, dê preferência aos espaços com tonalidades claras, como o branco e azul por exemplo.

Invista em móveis confortáveis

O mobiliário também é um detalhe importante para criar um ambiente de estudos aconchegante. Selecione os que sejam adequados à estatura da criança, para possibilitar mais segurança e conforto durante a realização das tarefas.

Os móveis infantis são uma ótima opção para proporcionar o máximo de conforto aos seus filhos. Sem contar que eles vão adorar ter uma decoração temática para o momento dos estudos.

Ajuste a temperatura ambiente

É indispensável que o local escolhido para estudar tenha uma boa ventilação, para que fique agradável e confortável. Afinal, de nada adianta pensar em cada detalhe ao cuidar do espaço de atividades, se a sala estiver muito fria ou quente demais. O indicado é que o lugar tenha uma temperatura adequada ao bem-estar das crianças.

Espaços bem organizados e pensados são fortes aliados na hora de colocarmos as crianças para estudar e realizar as atividades escolares. Por isso, é sempre importante pensar maneiras de deixar o ambiente escolhido confortável e prático.

Gostou das dicas incríveis para criar um ambiente de estudos tranquilo? Tem alguma sugestão que não foi mencionada neste artigo? Deixe o seu comentário, queremos saber como você monta o espaço de atividades dos seus filhos!

Dicas incríveis para decorar quartos infantis

Toda mãe quer o melhor para os seus filhos, não é mesmo? Saber que eles estão bem, felizes e descansados é um dos maiores alentos para a alma materna, e uma grande ajuda para tornar a vida dos pequenos mais plena é proporcionar um lugar só deles. Mesmo as crianças mais agitadas, falantes e desinibidas precisam de um local para centrar seus pensamentos, descansar depois de um dia cheio de atividades e estudar.

Decorar o quarto infantil pode ser uma tarefa muito prazerosa. Selecionamos algumas dicas incríveis para quartos infantis cheios de personalidade. Confira!

Lembre-se de que quartos infantis precisam ser funcionais e acolhedores

Independente do gosto dos seus filhos, um quarto infantil precisa ser um lugar calmo para estudar, sereno para relaxar e divertido para brincar. É ali que as crianças acharão seu refúgio em meio a correria do dia a dia, entre a escola, o futebol e a dança. Por isso, todos os aspectos precisam ser contemplados na hora de decorar o ambiente.

Invista em jogos de cama personalizados

Uma maneira interessante de deixar a hora de dormir divertida e atraente é investir em roupas de cama personalizadas. Os desenhos dos pequenos podem servir como lindas estampas para fronha, que contribuem para deixar o espaço com a cara da criança!

Use adesivos na decoração de quartos infantis

Para colorir as paredes, que tal apostar nos adesivos coloridos? De fácil aplicação e manutenção, as peças podem cobrir paredes e também a porta. Opte por artigos produzidos com material atóxico e sem cheiro: são mais seguros e não causam alergias aos pequenos.

Otimize o espaço com uma cama a meia altura

Camas mais altas, ou até mesmo a meia altura, garantem maior aproveitamento de espaço, deixando o quarto mais livre para brincadeiras e descontração. Embaixo delas há a possibilidade de instalar uma escrivaninha para os estudos ou mesmo gavetas para o armazenamento dos brinquedos. Não se esqueça de colocar uma barreira na lateral da cama para dar mais segurança à criança. : )

Utilize organizadores

Em meio a tantos brinquedos, roupas e livros, é quase impossível não surgir aquela bagunça indesejada. Organizadores plásticos são perfeitos para dar conta do recado e condicionam cada coisa em seu lugar. Além disso, já mostram desde cedo para as crianças a importância de deixar tudo em ordem. Escolha cores vibrantes para energizar o ambiente ou opte por harmonizá-los com o restante da decoração.

Organize com prateleiras e nichos

Aqueles itens preferidos dos seus filhos nem valem a pena ser guardados a sete chaves, não é? Prateleiras e nichos deixam expostos os itens de maior uso, tornando a localização mais rápida e prática.

Aposte em almofadas

Coloridas e aconchegantes, as almofadas podem ter tamanhos e cores variadas. Dão sempre um toque a mais na decoração.

Decore com luminárias

Ótimas aliadas para as crianças que têm medo do escuro, as luminárias também são muito úteis para escrivaninhas, pois auxiliam para um ambiente mais claro, perfeito para os estudos. Peças coloridas e temáticas vão além da funcionalidade, pois acabam se tornando itens decorativos.

O mais importante na hora de decorar quartos infantis é tornar a tarefa conjunta. As crianças vão adorar poder dar idéias e opiniões. Escute os pequenos e siga seu instinto de mãe: você não vai errar!

Curtiu este post com nossas dicas? Assine nossa newsletter para receber mais dicas para facilitar a sua vida e a de seus filhos!

Dicas para mães: como aproveitar melhor o tempo com seu filho?

Ser mãe nos dias atuais implica em conciliar a rotina profissional com os afazeres domésticos, cuidados com a alimentação, prática de exercícios físicos, momentos de prazer e, principalmente, tempo de qualidade com os filhos.

O importante é gerenciar o tempo para as outras atividades e garantir uma atenção de qualidade ao filho. Pense que esse tempo que passarão juntos é para ser prazeroso para ambos e, assim, é importante investir em atividades que não causarão estresse e poderão ser aproveitadas em família

Sugerimos, a seguir, um olhar diferente para as atividades que já são realizadas e apontamos algumas dicas para mamães.

Defina um tempo para as atividades tecnológicas

Estipular um tempo para se dedicar as atividades tecnológicas é saudável para todos. Isto porque a tecnologia veio para ficar e tem seus benefícios, mas tudo deve ser feito sem exageros. Por isso, enquanto as mães estão trabalhando no computador, os filhos podem, por exemplo, acessar programas nos tablets e smarthphones.  

Além disso, é possível defina o dia e horário para assistirem a filmes juntos, realizando um cinema em casa com muita pipoca e pernas para o ar.

Aproveite o lado de fora da casa

Às vezes, o que se precisa é conectar com o ambiente externo. Procure passear com seu filho pelas ruas do bairro e esqueça o carro na garagem. Observe junto com ele as árvores, a rotina da vizinhança, a pracinha e os animais que porventura encontrar.  Brinque de adivinhação ao longo do trajeto e mostre para ele um olhar diferente do que está acostumado.

Esta atividade resgata a espontaneidade do cotidiano e ensina a criança o ritmo normal dos acontecimentos.

Estimule o diálogo com seu filho

Procure contar histórias interessantes e condizente com a idade da criança. Converse sobre a moral da história, os personagens, invente finais diferentes.

Além disso, também mostre interesse sobre a rotina escolar, perguntando sobre o dia, as atividades desenvolvidas e até mesmo sobre o que comeu. Questione sobre o que ele mais gostou naquele dia.

Dessa forma, conversando com seu filho desde cedo, você propiciará um diálogo fiel para toda a vida.

Brinque com seu filho

A melhor brincadeira é aquela que diverte a todos. Os pais precisam voltar à infância e acompanhar as atividades inocentes e divertidas dos filhos. Vale pintura corporal, castelos com potes de iogurtes e heróis feitos com frutas. Proponha teatro e cenários criativos com princesas, piratas, heróis, vilões e todos os personagens que desperte o interesse.

Incentive as brincadeiras lúdicas. Brinquedos pedagógicos feitos de madeira são uma excelente opção. Afinal, essas ferramentas estimulam o raciocínio lógico através de cores, texturas, números e formas.

Não se esqueça de que os brinquedos e brincadeiras devem ser inseridos gradativamente e de acordo com o nível de complexidade adequado à criança.

Outras dicas para mamães

Outras dicas bastante relevantes para as mamães são levar o filho junto consigo em algumas atividades do cotidiano e explicar para ele como funciona sua rotina. Uma experiência muito significativa e prazerosa  pode ser  levar o filho ao supermercado.

Nesse caso, tenha paciência e escolha uma tarefa em que ele possa ajudar. Um dos exemplos é a escolha das frutas e legumes: faça-o identificar cada um deles e aponte a quantidade desejada.

Ademais, você também pode explicar a importância de cada item comprado e explanar que não se pode ter tudo de uma vez: cabendo até mesmo uma primeira conversa sobre o valor e a relevância de se economizar.

Atividades como essa promovem a interação entre pais e filhos, além de estimularem o aprendizado.

As dicas para mamães são importantíssimas para se aproveitar o tempo com os filhos, trazendo um enorme bem-estar físico e mental. Atualmente, é algo que precisa ser feito com qualidade para garantir a cumplicidade, amor, companheirismo e diálogo para toda a vida.

Gostou das nossas dicas? Então por que não as compartilha nas redes sociais?

Sono infantil: qual é o melhor momento para trocar o berço pela cama?

A hora de dormir é sagrada em sua casa. Principalmente porque esse é o momento em que você aproveita o tempo livre e dedica 100% da sua atenção ao bebê. Mas, nos últimos tempos, uma coisa tem te deixado apreensiva: o seu bebê está cada dia maior e mais esperto… será que já é hora de trocar o berço pela cama?

Esse é um dilema que atinge a maioria das mães. Elas ficam receosas com a possibilidade do bebê, que está cada dia mais ágil, saltar do berço quando acordar ou ainda se sentir incomodado devido ao espaço limitado. Para te ajudar nisso, hoje daremos algumas dicas sobre como e quando trocar o berço pela cama.

Não existem regras para definir quando trocar o berço pela cama

Não há um período determinado para que essa mudança ocorra. No geral, os bebês costumam passar por essa transição entre os 2 e os 3 anos. Entretanto, cada situação deve ser avaliada individualmente. Se o seu bebê ainda está confortável no berço e não há um irmãozinho a caminho, que usufruirá do espaço, deixe-o por mais tempo. A qualidade do sono infantil é importante para o desenvolvimento da criança, por isso, evite desgastes desnecessários. Muitas vezes, o bebê pode se sentir desprotegido e estranhar o novo dormitório. Avalie a real necessidade de realizar a troca.

É importante preparar a casa para a troca do berço pela cama

Dormir em uma cama significa mais autonomia e independência para a criança. Ela conseguirá levantar-se sozinha e poderá perambular pela casa enquanto você não estiver olhando. Em vista disso, é fundamental adaptar a casa para esse novo momento do bebê e evitar transtornos. Se a casa tiver escadas, por exemplo, providencie grades protetoras. Mantenha as tomadas fechadas, coloque tela nas janelas, proteja quinas de móveis e limite o acesso aos outros cômodos. 

Mamãe, eu estou crescendo!

Faça desse momento um acontecimento importante. Demonstre todo o seu orgulho por ele começar a viver essa nova fase. Seu apoio fará com que ele se sinta pronto para essa transição. Envolva-o na escolha da cama, das roupas de cama e o incentive a contar para as pessoas sobre a mudança. Quando for retirar o berço, não deixe-o no quarto assistindo, para evitar o sentimento de perda. Esse é um momento que deve ser comemorado! Talvez o bebê demore um tempo até perceber que consegue sair da cama sozinho e é provável que, nesse período de adaptação, ainda te chame quando acordar. Tenha paciência e ajude-o a entender como esse é um grande passo. 

Como escolher a cama certa para o sono infantil?

Para facilitar o processo de adaptação, opte por uma cama menor, como as chamadas mini-camas ou camas júnior. Dessa forma, a criança não estranhará tanto o excesso de espaço. Tome algumas precauções em relação ao material da cama. Por exemplo, verifique se a tinta usada na pintura é atóxica e se não há nenhuma aresta pontiaguda nas laterais que possam machucar o seu filho. Dê preferência para os modelos que possuem grades laterais, para evitar que a criança role e caia no chão enquanto dorme. Escolha uma cama baixa, para facilitar que o bebê saia dela sozinho. Há também a opção de colocar apenas um colchão no chão. Algumas famílias, adeptas ao modelo montessoriano, já usam esse formato desde o nascimento. 

Gostou das dicas sobre quando trocar o berço pela cama? Tem outras sugestões sobre como facilitar esse processo e melhorar o sono infantil? Conte para a gente nos comentários! 

Hora de dormir! 5 dicas para criar uma rotina de sono do seu filho

Deixar os filhos em casa para trabalhar faz parte da rotina de várias mães que não deixaram a carreira de lado em função da maternidade. Mas o aperto que dá no peito e a vontade de ficar o máximo de tempo com as crianças, só quem é mãe sabe. Apesar disso, conciliar trabalho e família é possível e algumas pequenas atividades junto dos filhos pode ajudar um pouco a compensar a ausência durante o dia. Seguir um ritual para a hora de dormir é um bom exemplo. Para ajudá-la a criar uma rotina de sono para os pequenos, enumeramos algumas dicas:   

1- Mantenha o quarto confortável

O sono é fundamental para o bom desenvolvimento psicológico e físico da criança. Para ajudar seu filho a dormir tranquilamente, você pode criar um ambiente propício ao sono. 

A decoração do quarto nas cores em tons de azul ou verde têm efeito calmante para o corpo e para a mente, espantando a agitação. Escolha um projeto de iluminação que favoreça o sono tranquilo, como as lâmpadas de tonalidade amarela. A roupa de cama infantil também deve ser bem confortável, de qualidade e de preferência 100% algodão. Evite aparelhos eletrônicos como televisores e computadores no quarto, eles podem atrapalhar o sono.

2- Crie uma rotina

Escolha um horário para colocar as crianças na cama e siga a mesma rotina todos os dias. Ensine a criança desde novinha que à noite é hora, por exemplo, de jantar, tomar banho, se deitar. Evite alterar bruscamente essa rotina, assim como os horários de alimentação dos pequenos.  

3- Esgote as energias

É como se diz “criança cansada é criança feliz”. Quando mais seu filho brincar, correr e suar melhor será para o sono dele. Não precisa preencher toda a agenda infantil diária com um milhão de atividades, mas um exercício físico e algumas brincadeiras no parque ou no clube podem ajudar a esgotar as energias.

A natação, por exemplo, é um esporte ótimo para a qualidade do sono e ainda estimula o apetite. O contato com a água também alivia o estresse e melhora o sistema respiratório.

4- Conte uma história

A historinha na hora de dormir também é uma superaliada das mamães que querem tornar este momento lúdico e agradável. Tal prática tem inúmeras vantagens, como acalmar a criança, reforçar o elo entre mães e filhos e ainda estimular a imaginação deles.

Além disso, tornar esse momento prazeroso pode alimentar nos pequenos o gosto pela leitura. Tal fato fará enorme diferença no processo educacional da criança e trará uma série de benefícios para seu filho.

5- Faça massagens relaxantes

Quem não gosta de um chamego? As crianças não são diferentes. Elas amam receber uma massagem na hora de dormir e isso vai ajudá-las a relaxar. Você pode utilizar gotinhas de óleo vegetal ou mesmo um hidratante. A massagem alivia o estresse e aumenta a conexão entre vocês.

Seguindo essas cinco dicas, dificilmente você terá problemas com a hora de dormir das crianças. Assim, você também vai melhorar a qualidade do seu sono, recuperando totalmente as suas energias. Mais disposta, sua rotina corrida de mãe e profissional tem mais chances de ser um sucesso no dia seguinte !

Curtiu este post? Assine nossa newsletter receba mais dicas para facilitar sua vida!

Conheça 5 atividades extracurriculares para seus filhos

Durante os primeiros anos de vida, até cerca de 8 anos de idade, o desenvolvimento inicial de uma criança encontra-se em processo acelerado, incluindo aí não somente aspectos físicos, mas também aspectos mentais e psicológicos. 

As experiências pelas quais essas crianças passam e os obstáculos que elas superam durante esse processo possuem papel fundamental para determinar como se dará este desenvolvimento no próximo estágio. Assim, sucessivamente, a prática de algumas atividades extracurriculares são capazes de proporcionar, ao seu filho, os incentivos corretos.

Você possui filhos pequenos e se preocupa com o desenvolvimento deles? Então conheça 5 atividades extracurriculares para eles praticarem!

Desenho

Dos 2 anos de idade em diante, a criança começa a ter controle dos polegares, além de ter coordenação motora suficiente para a realização de desenhos. Por mais que possa parecer uma atividade simples, essa prática terá papel fundamental no processo de desenvolvimento da criatividade, além de ser bastante prazerosa.

Não se preocupe quando surgirem bananas azuis ou um sol verde, por exemplo: dentro do universo infantil, tudo é possível e não existe certo ou errado. Você pode ir além e perguntar porque ela escolheu realizar esses desenhos da maneira feita, incentivando-a, mas sempre tomando cuidado para deixá-la livre para criar, brincar e se expressar.

Jogos de raciocínio 

A partir dos 4 ou 5 anos de idade, as crianças começam a adquirir a capacidade de se manter concentradas por períodos mais longos. 

Desta forma, essa fase abre uma janela para a prática de jogos de raciocínio como o xadrez, por exemplo, que terão como finalidade não somente o desenvolvimento dessa capacidade de concentração, mas também de memória, de raciocínio lógico-matemático, de criatividade, de resolução de problemas e muito mais — e, tudo isso, claro, sem abdicar da diversão e do entretenimento.

Novos idiomas

Durante a infância, nosso cérebro encontra-se no mais rápido processo de desenvolvimento pelo qual ele passará por toda a vida. Diante disso, há também o fato de que, a partir dos 7 anos de idade, a criança começa a se despertar pelo mundo fora do ambiente do lar. 

Esta faixa etária é a ideal para o aprendizado de novos idiomas, sendo algumas crianças capazes de aprenderem até mesmo dois simultaneamente, sem dificuldades.

Esportes

Quando pensamos na prática de esportes para crianças, muitas vezes relacionamos o tema com o desenvolvimento de coordenação motora, resistência cardiovascular, grupos musculares etc.

Entretanto, não somente esses pontos positivos são proporcionados pela prática esportiva, mas também o aprendizado do trabalho em equipe, a capacidade de tomar decisões rápidas e sob pressão, o controle emocional para lidar com vitórias e derrotas, e muito mais.

Desta forma, tente incentivar a prática dos mais diferentes tipos de esporte para que este desenvolvimento seja o mais completo possível. Esportes, assim como danças ou qualquer atividade com o corpo, são recomendados para crianças de todas as idades, e só tem benefícios a oferecer!

Culinária

Por último, mas não menos importante, a culinária pode ser uma excelente opção de atividade extracurricular a ser praticada, pois permite, como poucas, a interação de pais e filhos. Basta selecionar receitas com grau de dificuldade equivalente à idade ou às habilidades da criança.

Além disso, essa pode também ser uma oportunidade para desenvolver hábitos alimentares saudáveis e para ver, na prática, alguns conceitos básicos aprendidos na física ou na química.

Agora que você conhece algumas boas opções de atividades extracurriculares, talvez sua cabeça esteja repleta de ideias para serem colocadas em prática.

Entretanto, por mais que você esteja cheia de boas intenções, é preciso ter em mente que há o momento certo para tudo, inclusive para a prática livre de brincadeiras e atividades sem que estas sejam dirigidas ou programadas, pois isso também faz parte e tem papel fundamente na formação de seu filho.

Gostou de nosso post? Possui alguma crítica, sugestão ou experiência que gostaria de compartilhar conosco? Deixe seu comentário!